Luz e evolução para voltarmos a nossa essencia

“O conceito matemático de Matriz [Matrix, em inglês] consiste em uma
ordenação adequada de símbolos
[normalmente números] no espaço. Em duas dimensões, essas ordenações
são chamadas de ‘linhas’ [na horizontal] e ‘colunas’ [na vertical]”.
Somos emanações divinas presentes eternamente no infinito AGORA.
Tudo que observamos são nossas criações mentais.
Tempo e espaço são conceitos ilusórios que criamos, formando uma
prisão, que podemos chamar de ‘Matriz’.
A única verdade é o Amor Infinito – todo o resto é ilusão.
Vamos aos detalhamentos:

1. Hologramas são projeções de energia ou ‘luz’ que parece, ao
observador, ser uma forma de 3 dimensões, mas na realidade são uma
série de códigos e padrões de onda que apenas geram a ilusão de 3D
quando um laser emite sua luz sobre esses hologramas.
Toda a realidade dos 5 sentidos é uma ilusão holográfica que apenas
existe de uma forma ‘sólida’ porque o cérebro/mente humana faz com que
se aparente desta forma. O mundo 3D de paisagens, mares, edifícios e
corpos humanos, apenas existe nessa forma quando nós olhamos para ele!
Se não ele é uma massa de campos vibratórios e códigos.
No filme Matrix, a Matriz é representada, vista de fora, por uma série
de números verdes e códigos, enquanto que do interior ela é vivenciada
como o tipo de mundo em que nós pensamos que vivemos – montanhas,
ruas, pessoas etc. Esta é uma boa analogia.

2. Nós não enxergamos com os nossos olhos, nós enxergamos com o nosso cérebro!
No caminho dos olhos até o córtex visual, região cerebral responsável
pela ‘fabricação’ da visão (gnosia visual), os lobos temporais editam
e reconstroem até 50% ou mais da informação original que entra através
da retina e nós apenas ‘vemos’ o que o cérebro, com todas as suas
realidades condicionadas, decide o que ele está vendo.
Em ‘O Universo Holográfico’, Michael Talbot conta-nos que nos anos ’70
seu pai contratou um hipnotizador profissional para entreter um grupo
de amigos. Um dos escolhidos para ser hipnotizado foi um homem chamado
Tom e era a primeira vez que ele encontrava-se com um hipnotizador.
O que os hipnotizadores de palco fazem é programar as pessoas para
acreditarem que elas estão vendo algo ou fazendo algo que, na verdade,
não passa de pura invenção. O hipnotizador fez Tom acreditar que
existia uma girafa na sala e mais tarde fez com que comesse uma batata
crua acreditando que era uma maçã. Essas são confirmações de que o
cérebro vê e experimenta o que ele é programado para acreditar o que
ver e experimentar.
Mas a parte mais interessante da história veio quando Tom foi trazido
de volta para o estado de consciência desperta. Logo antes do
hipnotizador terminar o estado de transe formal, ele disse a Tom que
quando ele acordasse ele não seria capaz de ver sua filha, Laura. O
hipnotizador pediu a Laura para ficar em pé de frente e junto do pai
de tal forma que quando ele abrisse os olhos ele estaria olhando no
estômago dela.
Quando perguntaram a Tom se ele conseguia ver sua filha, ele respondeu
que não. Laura se mexeu bastante, mas não deu nenhum resultado. O
hipnotizador se colocou atrás de Laura e segurou algo contra as costas
de Laura. Para ver esse objeto, Tom teria que ver através de sua
filha. O hipnotizador pediu a Tom para dizer o que ele estava
segurando em sua mão e, inclinando-se para frente para junto do
estômago da filha, ele disse: “um relógio”.
Foi-lhe pedido então para ler a inscrição no relógio e ele leu.
O hipnotizador confirmou que realmente estava segurando um relógio com
a inscrição descrita por Tom.
A mente de Tom foi programada para acreditar que ele não poderia ver
sua filha e portanto ele não a viu.
Além disso, ele pôde ver o que estava atrás dela.
Como isso é possível? Nós construímos nossa realidade ‘aqui dentro’ e
não ‘lá fora’.

3. Uma afirmação perfeitamente correta é: ‘conhecereis a verdade e a
verdade vos libertará’.
Na prática, uma grande parte do que conhecemos é Mentira.
Existem entidades (como os manipuladores reptilianos, draconianos,
“greys” e seus fantoches, além da própria Matriz que nós mesmos
criamos) que nos repassam informações erradas (mentiras!) visando nos
escravizar (retirar nossa liberdade) e nos retirar Poder. Uma das
mentiras mais enraizadas em nós é o nosso conceito (ilusório) de
separação espacial e de tempo.
Comecemos pelo nosso conceito de tempo:
– com o conceito de tempo estabelecido na superfície de nosso planeta
Terra, todos nós podemos praticar um ato posterior ANTES de um ato
anterior, basta cruzar de oeste para leste o ‘meridiano do tempo’, que
cruza o Oceano Pacífico exatamente na localização oposta ao meridiano
de Greenwich.
Desta forma cria-se uma diferença de tempo entre os atos de quase 12
horas! Que absurdo! Nosso conceito de Tempo é uma tremenda ilusão.
Passado, presente e futuro: ilusão!
Então, como funcionam todas as coisas, sem o conceito de Tempo?
Na realidade só existe o infinito e eterno Presente, o AGORA, com
todos nossos conceitos de eventos passados e futuros ocorrendo no
eterno Agora, em realidades paralelas simultâneas, criadas por nossas
mentes.
É exatamente por causa disso que videntes conseguem ‘ver’ e ‘sentir’
acontecimentos ‘passados’ e ‘futuros’: eles estão presentes no Agora!
Reencarnação, portanto, não é um processo de vir e sair deste mundo
com o passar do tempo: é mover-se para dentro e para fora de
diferentes realidades, todas acontecendo simultaneamente.
Ainda não está convencido sobre a ilusão do tempo?
Então considere um dos grandes mistérios que é a predição do ‘futuro’,
que muitos estudos já provaram ser possível. Um exemplo nesse sentido
é o ‘teste da cadeira’ proposto pelo vidente holandês Gerard Croiset :
investigadores iriam identificar eventos em salas espalhadas pelo
mundo que não tivessem assentos numerados pré-alocados. As pessoas
sentariam onde quisessem quando elas chegassem ao local do evento. O
investigador daria a Croiset um assento particular para ser focalizado
semanas antes do evento e ele teria que descrever a pessoa que iria
sentar lá durante o evento futuro.
Durante 25 anos Croiset descreveu os ocupantes dos assentos com enorme precisão.
Dra. Jule Eisenbud, professora clínica na Universidade do Colorado,
conduziu um desses testes em 1969. Mais de duas semanas antes de um
evento em Denver, Colorado, Eisenbud contactou Croiset na Holanda e
deu a ele um assento para ‘ler’.
Croiset disse que o homem que iria sentar naquela cadeira tinha cerca
de 1.75m de altura e trabalhava na indústria e com ciência. Em seu
trabalho, disse Croiset, ele usava um avental de laboratório que
estava manchado com um produto químico esverdeado. Ele disse que o
homem tinha os cabelos pretos, penteados para trás, uma cicatriz no
seu dedão e um dente de ouro na sua mandíbula inferior. 17 dias
depois, este mesmo homem sentou no assento e Croiset estava correto em
todos os detalhes, inclusive sobre sua altura.
Como isso é possível? O homem ‘depois’ na cadeira e o homem ‘antes’,
antes mesmo que ele inclusive soubesse que ele iria àquele evento, não
eram eventos que estavam acontecendo separados por várias semanas:
eram eventos concomitantes na eternidade.
Eles estavam acontecendo simultaneamente. Eram duas realidades mentais
distintas, mas acontecendo no Infinito AGORA!!

4. Uma ilusão só pode controlar você quando você pensa que ela é real.
Quando nós observamos nossas experiências diárias nós estamos olhando
em um espelho de nós mesmos. Portanto, para mudar seu mundo mude a
você próprio.
Não culpe os outros, pois isso é aceitar que os outros têm poder sobre
sua vida e sobre a realidade que você cria.
Não existe nada que não possa ser explicado, uma vez que entendamos
que o Amor Infinito (Unicidade) é a única verdade e todo o resto é
ilusão e que nós estamos criando a ilusão ou tendo a ilusão programada
em nós por acreditar que ela seja real.
Lyall Watson, biólogo e autor de “Supernature”, diz ter presenciado
uma mulher Indonésia chamada Tia, uma xamã, conversando com uma
menininha em um pequeno bosque de árvores. Ele olhava a cena de uma
curta distância e ela não sabia que ele estava lá observando. Ela
pareceu explicar algo à garota e um certo ritual de dança e de gestos
começou. Para o espanto de Watson, o pequeno bosque de árvores
desapareceu e, após alguns segundos, voltou novamente. “Num momento
Tia dançava no bosque sombreado; no seguinte ela ficava em pé sob um
sol escaldante”, ele disse. “Ela conseguiu ‘ligar’ e ‘desligar’ o
bosque várias vezes”,
com Watson olhando sem acreditar.
Isto é impossível? Não, não é.
O bosque é uma ilusão holográfica e aqueles que compreendem como o
processo funciona podem se desconectar dessa realidade, o sonho de
consenso que concorda que o bosque existe.
Com Lyall Watson observando esta cena intensamente, foi fácil para ele
tornar-se parte do campo de realidade de Tia e também ver o bosque
aparecer e desaparecer.
Outras pessoas poderiam ter observado isso de uma ilusão de realidade
de consenso e o bosque não teria desaparecido para elas. Isto explica
porque algumas pessoas podem caminhar através de paredes – elas
acreditam que podem e essa torna sua experiência. Elas desconectam
suas mentes e corpos das leis da realidade de consenso que insiste que
isso é impossível. Quando digo ‘acreditar’, isto é um nível de crença
muito além de qualquer pessoa que apenas diz ‘eu acredito’.
Não é crença, é um conhecimento, um ser.
Existe um velho ditado que diz que nós podemos ‘mover montanhas’.
Isto não tem um significado literal? Por que não? Se um bosque pode
desaparecer, porque não uma montanha? A montanha é uma ilusão
holográfica e nossa mente controla a ilusão. Por que nós não movemos
montanhas? Nós podemos, mas nós não fazemos, porque nós não sabemos
que nós podemos.
A realidade de consenso, programada, diz que a própria idéia é
ridícula e se acatamos essa realidade, assim é. Porém se criarmos uma
outra realidade que diz o oposto, moveremos montanhas!

5. As ‘leis’ do mundo dos 5 sentidos podem apenas ser aquilo que nós
pensamos que elas são, e enquanto aceitarmos elas como real nós
estaremos sujeitos às suas limitações.
Da mesma forma, se nós pudermos livrar nossas mentes dessas
realidades, nós não estaremos mais sujeitos às suas ‘leis’ e
limitações. Isto é o que chamamos ‘milagres’.
Quase todos já leram sobre feitos inexplicáveis como caminhar no fogo
sem se queimar, ter espadas atravessadas através do corpo sem se
machucar ou deixar cicatriz, levitação e muitas outras coisas.
Nenhum desses fenômenos é possível para a ciência materialista
convencional, mas isso é simplesmente porque a ciência convencional é
o conhecimento equivalente a um filme do Mickey Mouse.
David Icke conheceu uma mulher que separou um quarto de sua casa para
ser usado por meditadores sérios, meditadores que queriam meditar por
longos períodos sem serem perturbados. Um cara entrou e não apareceu
por muitos dias e ela ficou curiosa para saber se ele estava bem. Ela
pegou um copo de chá para ele e abriu a porta devagarinho. No momento
seguinte o copo se espatifou no chão porque quando ela olhou para ele,
a metade de baixo de seu corpo estava invisível. Impossível? É
possível sim e perfeitamente explicável.
Em 1905, o paranormal Indridi Indridason fazia parte de um projeto de
cientistas eminentes da Islândia no terreno do ‘paranormal’. Quando
ele entrava em transe profundo os cientistas viam diferentes partes de
seu corpo desaparecer e reaparecer.
Tudo é possível, literalmente tudo, porque nós somos infinitas
possibilidades. David Icke também conta que uma mulher do Texas lhe
contou que um dia, pela manhã, ela acordou próximo do marido e
encontro-o flutuando a cerca de 1,80m acima da cama, ainda dormindo…
O Dr. William Tufts Brigham, o curador do Bishop Museum de Honolulu,
era um investigador perspicaz do ‘paranormal’ e seus estudos
envolveram os ‘milagres’ feitos por xamãs havaianos, ou kahunas.
Ele testemunhou uma delas curar um homem que tinha quebrado a perna
tão forte que pedaços do osso estavam atravessando a pele. A mulher
kahuna ‘orou’ (pensamento concentrado) e meditou ao lado do homem e
esticou sua perna, empurrando os ossos quebrados. Após alguns minutos
ela disse que a cura estava completa e o homem se levantou e saiu
andando sem nenhum sinal de seu severo machucado de minutos atrás.
Isto é possível porque, na realidade, não existe osso – isso também é
uma ilusão…

6. Um pouquinho sobre o ‘carma’: a crença na realidade sólida
materialista é fundamental na ciência oficial, assim como a
necessidade de que tudo seja provado através de experimentos que
possam ser repetidos. Cientistas que sugerem explicações alternativas
são jogados no ostracismo ou sabotados, para se defender a ‘sabedoria’
existente.
Fundamental para perdermos de vista nossa unidade infinita é a
política oficial da ciência não-alternativa que apresenta o mundo como
partes desconectadas e isto está refletido na própria estrutura da
ciência, com suas especialidades compartimentalizadas, que raramente
conversam entre si.
Mas, quando as crenças dos cientistas estão afetando os resultados dos
experimentos, como a física quântica está cansada de mostrar, de que
valia é este dogma?
Uma partícula subatômica chamada ‘anomalon’ foi verificada ter
propriedades diferentes em diferentes laboratórios, o que é
equivalente a ter um carro que muda de cor e outras características
dependendo de quem o está dirigindo.
As ‘leis’ da Ciência apenas se aplicam porque os cientistas acreditam
que sim e, graças ao estado divinizado da Ciência: o que ela decide
que é ‘real’ torna-se a realidade de consenso.
Mas tudo é uma ilusão.
Tome, por exemplo, a lei básica da Ciência conhecida como ‘Lei de
Causa e Efeito’, o fundamento da chamada ‘Lei do Carma’. Para cada
ação tem que existir uma reação. Isto é verdade – mas apenas se você
acredita que é.
Se você acredita que não é verdade então ela não é!
As pessoas possuem carma apenas porque elas acreditam que elas o
possuem em suas mentes individuais e coletiva.
William Tiller, físico da Stanford University, escreve: ‘quando
chegamos nas fronteiras de nossa compreensão, podemos de fato deslocar
as leis de tal forma que nós estamos criando a física enquanto
caminhamos’. Não existem ‘leis’, apenas possibilidades infinitas.
O que é realidade? O que você pensa que é? Então isso é o que é.
Místicos têm comunicado idas a ‘Salas de Saber’ em seus mundos
não-físicos e relatado que a Terra é uma ‘universidade’ espiritual
onde as pessoas vêm para aprender algumas duras lições e trabalhar
seus carmas. Isto é uma total ilusão! ‘Você acha que o Infinito tem
que ir para escola aprender algo quando ele sabe tudo que existe para
saber?’.
Sobre o carma, a idéia que você experimenta aquilo que você fez os
outros experimentar, pode-se perguntar: ‘Por que teria o Infinito de
experimentar aquilo que ele mesmo fez experimentar?.
A idéia do carma é uma manipulação da Matriz para embasar a crença na
passagem do ‘tempo’ – é o meu carma de uma vida passada ou eu estou
gerando carma para meu futuro – e para manter as pessoas em um estado
de culpa e de auto-condenação.
‘Amor Infinito não julga a si ou pune a si mesmo – estas são ilusões
da desconexão’.
Estas áreas do conhecimento são muito mais subversivas para o sistema
do que simplesmente expor a rede de sociedades secretas ou a agenda
global porque elas oferecem meios que nós podemos pensar de excluir a
agenda e seus valores fascistas de nossa existência e pensar e trazer
uma nova realidade em existência.
Esta é a transição da prisão para o paraíso.
Como toda realidade, a transição tem que acontecer primeiro na mente –
ou, mais certadamente, no coração – e apenas então pode ser
experienciada no mundo ‘físico’ como holograma manifesto.
Rejeitar a realidade de consenso e criar a nossa própria é a transformação.
É como o conto de Andersen ‘A Roupa Nova Do Rei’. A realidade de
consenso era que ele estava vestindo roupas novas lindas, porque a
multidão não queria admitir que ele estava nu. Foi preciso que uma
criança gritasse ‘o rei está nu’ para quebrar o encanto e propagar o
óbvio.

7. Acredito que todos já tenham ouvido falar do Conde Drácula, não?
É uma ficção, porém baseada em fatos reais, que estão ocorrendo agora
na nossa aristrocracia/realeza (Drácula > Draco > Draconianos = linha
reptiliana “real”).
Primeiramente, uma introdução: há uma técnica de controle mental
chamada de Distúrbio de Múltiplas Personalidades (MPD, em inglês).
Isto ocorre quando a mente é fraturada, através de trauma e
programação, em uma série de aparentes ‘personalidades’ ou
‘personagens’, cada um com diferentes atitudes, crenças e, até,
diferentes ‘idades’ ou ‘sexos’.
David Icke testemunhou um caso (na sala de um terapeuta) de uma mulher
de 30 anos que manifestou sete distintas ‘personalidades’ em meia hora
de sessão, incluindo uma de bebê. Cada personalidade tinha seu próprio
nome, antecedentes e características, e cada uma foi trazida à tona,
em seqüência, pelo terapeuta pelo uso de palavras corretas de
acionamento e por códigos. Quando uma personalidade era comutada para
outra,
a face da mulher mudava, inclusive a cor dos olhos e características
da pele (cicatrizes podem desaparecer quando uma personagem substitui
outra como a mente consciente).
A pessoa pode estar doente, em um modo, e perfeitamente saudável no
outro. Mulheres com MPD podem ter diferentes ritmos menstruais com
cada personalidade, e parecerem mais velhas ou mais jovens.
Agora, como é o outro termo para essa transformação instantânea das
feições da face e do corpo?
Mudança de forma (‘shape-shifting’, em inglês).
Esta é uma das características do Drácula: mudança de forma, assim
como os humanos reptilianos.
Drácula é um vampiro, assim como os humanos draco-reptilianos, que
bebem sangue humano comum, alimentando-se da energia humana. A linha
dos manipuladores está seriamente envolvida em sacrifícios humanos e
em rituais de beber sangue em toda a nossa história. Os registros
sumérios revelam que os Anunnakis, deuses da Antiga Suméria que
igualmente apreciavam o derramamento de sangue humano, eram uma raça
reptiliana.

8. Quando os místicos meditam, antes de executarem um ‘milagre’, eles
estão se desconectando da realidade de consenso, a mente coletiva, que
diz que o ‘milagre’ é impossível.
O que não vemos, nós inventamos: nossos olhos possuem um ponto cego,
onde o nervo óptico se conecta ao olho, no meio da retina. Qualquer
que seja o objeto que olharmos, nós não podemos ver nada que incide
naquela parte do olho, mas o cérebro constrói a cena completa usando a
informação disponível e, portanto, preenche o ‘buraco’ usando para tal
as imagens vindas do outro olho ou recolhidas na memória.
Realidade é apenas aquilo que nós fomos programados a acreditar que é.
Vemos apenas o que estamos condicionados a ver e editamos (eliminamos)
tudo o que contradiz esse condicionamento.
Implantar crenças é tudo o que os manipuladores desejam, pois é
através da crença que nós manifestamos nossa realidade. Geralmente, a
crença cria a Polarização;
polarização = divisão e conflito, divisão e conflito = dividir e dominar.
‘Afinal, existe a alma?
E existe a física da alma?
Cada um decide.
Só por diversão, na metáfora das vidas do gato, quanto mais vidas o
gato vive, mais perto de sua eventual morte; com a expansão da física
ela se aproximará da imortalidade’. (Amit Goswami)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: